terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Consequências inesperadas

Olá meus amores,este relato escrevo especialmente para você que me segue diariamente, que está sempre querendo saber, não somente das minhas transas,mas principalmente de mim mesma. Que se preocupa comigo e que, ás vezes, me manda alguma mensagem de bom-dia, ou alguma bela mensagem para animar ainda mais meu dia. 
Tenho alguns amigos bem especiais nesse sentido. Graças a Deus são muitos, alguns já tive, literalmente, o prazer de conhecer, outros me mandam mensagem ou ligam apenas para dizer que me desejam ótimo dia. Também adoro receber as fotos e vídeos dos animais. Todos são muito queridos para mim, os vídeos dos galinhos tão lindos e majestosos, ou meu amigo Paçoca chamando Mirella são visualizados sempre com muito carinho. Os cavalos, cachorros, todos muito amados. 
Também não posso me esquecer desse grande músico amigo que me mandou meu nome escrito em notas musicais. Meu carinho eterno, querido amigo. Tarado! 
Impossível olvidar meu grande amigo Robertinho que me mantem abastecida de toda classe de mantimentos do nordeste, desde a farinha de mandioca com goma bem fininha que tanto amo, até a rapadura, não esquecendo carne seca, biscoitos entre tantas outras delícias. 
O namoradinho Jr. que, mesmo sendo extremamente exigente está sempre me presenteando com sapatos, lingeries, hidratantes, bombons e tantas outras coisas que não cabe. 
Meu delicioso gatinho safado, alucinado por Luiza Possi e por um belo rabo de loira platinada. que me presenteia constantemente com hidratantes deliciosos que deixam minha pele ainda mais suave e sedosa. Além da comidinha para meus gatinhos lindos. Você sabe que te adoro.
E como não lembrar de meu paizão, que sabe como poucos apagar meu fogo. Na última vez que te liguei, e que soube que não poderia te encontrar estava com um fogo louco na xana, queria acabar-me nos seus dedos e língua daquele modo delicioso quase sem tocar, suave, molhado que me toca e me vuelves loca . Se houvesse te encontrado naquele dia, com certeza não teria necessidade de dar de graça, mas, infelizmente, não podemos ter sempre o que queremos, você realmente não poderia vir, por isso nem comentei. 
Na verdade nem deveria cita-lo porque sei o quanto você é ciumento e odeia meus relatos, mas como sei que mesmo assim você lê, fica a lembrança. Mas como ele seria o único que poderia ter evitado que caísse nessa cilada, creio que deve ser citado também. 
Creio que vocês que me seguem tão de perto tem o direito de saber as consequências de meus atos. 
Esse negócio de dar somente para receber rola me deixou um pouco louca. Talvez muito. A verdade é que estou especialmente vagabunda. Sei que isso não é novidade, mas agora creio que estou exagerando. Acredito que isso de que os Quarenta seja a idade da loba, seja verdade, estou especialmente vadia atualmente, tanto que minhas amigas estão rindo muito com minha nova situação, até porque, como sempre fui contra Puta que mete de graça, acho concorrência desleal, para dar de graça já estão as vagabundas que se creem decentes, embora, no final das contas, sai mais caro. 
Tampouco posso dizer que foi realmente grátis porque depois do relato, muitos clientes mais espertos estão aproveitando para foder uma puta de verdade e cheia de tesão, logo, não foi em vão. 
Acredito que deixar de ter a obrigação de agradar, ainda que seja um único homem, me deixou mais livre. Tenho meu marido, mas com ele já é comum. Diário e com amor, então não é tão raro como chamar um macho para me foder, sair sem receber e ainda achar gostoso.
Todos os machos que me foderam nestes últimos dias teria o direito a um relato, mas a correria foi tão grande que não houve tempo. Precisaria cobrar mais caro para poder ter tempo de escrever todos os relatos, mas com a crise do país, estou mantendo o mesmo preço a muito tempo, portanto já aproveito para avisar aos clientes que no ano que vem haverá um reajuste no valor do programa básico de R$250,00 para R$300,00 por uma hora. Programa hard, bebendo porra, inversão com beijo-grego profundo, chuva dourada, entre outros passarei a cobrar R$350,00. Cobrarei esse valor sobretudo porque sei que nenhuma Esse valor será praticado a partir de Janeiro. Também porque já estou com 41 anos, não tenho mais a mesma energia e tesão, então preciso guardar minhas energias para clientes que realmente saibam extrair o melhor de mim, tudo na putaria tem um preço e acredito que este seja razoável. Claro que para clientes já conhecidos e frequentes posso abrir uma exceção no inicio.
Também preciso de tempo para escrever, não tenho tempo para nada atualmente, espero que vocês compreendam.
Também quero cobrar algo mais caro porque quero ter tempo e energia para agradar meu corpo. Quase não o tenho mimado e cuidado como ele merece pelos prazeres que me proporcionam.


Na noite anterior ao relato, contei ao Javi que havia chamado o macho para me foder, ele ficou louco de tesão e na manhã seguinte, sexta-feira estávamos no flat e metemos bem gostoso pela manhã, comigo sussurrando ao seu ouvido todas as putarias que fiz com o macho roludo. Gozei várias vezes, sobretudo quando lhe contava como achava delicioso aquele pauzão socado na minha buceta pingando. Ele me encheu de porra de quatro como um bom corno. Delicioso.
Queria marcar com o comedor para me foder bem gostoso com o Javi no sábado,mas os compromissos nos impediam de encontra-lo.
Essa nova experiência me fez ver que também tenho o direito de meter com quem quiser pelo simples prazer da rola. Com meu marido há amor e muda a sensação. Quero dar para desconhecidos, criar novas situações. 
Como nesta sexta-feira, marquei com um cliente putão, putão, creio que o mais vadio que conheço, em um motel bem podreira, horrível, limpo mas horrível. Ele gosta de marcar aí para ficar de quatro na garagem para que todos o vejam tomando no cu bem gostoso. Adoro ficar pelada com a pica na cintura socando rola no cu dele sem dó.
Ele sempre pede para levar um macho a mais e quando entrei no Uber notei que  a ocasião era perfeita. Um belo exemplar de macho negro,baiano, alto e muito simpático. Estava vestida com um tubinho tomara-que-caia preto curtinho, cinto dourado de cobra na cintura, sapatos de salto-alto peep-toe vermelhos, sobretudo vermelho, loira, linda e estonteante. Sentia-me especialmente sexy, sexta-feira, dia de pecado. Estava com um fogo enorme. 
No caminho resolvi puxar assunto com o motorista para ver se conseguia fisga-lo.
Comecei perguntando qual horário costumava trabalhar, se a mulher dele não ficava preocupada, ele respondeu que preferia a noite e que a mulher já estava acostumada, que no começo do casamento dava muito trabalho, mas que agora havia parado. Disse que bebia muito. 
Perguntei se dava trabalho com mulheres também.
_Já dei muito quando bebia,agora parei.
_Que bom, né, ou que pena. Você é bem bonitão.
_Que nada, sou feio, é que está escuro, disse ele.
_Quanto mais escuro mais gostoso. respondi
Silêncio.
Ainda mais atrevida e insinuante esclareci:
_Amor, serei sincera, não deveria te fazer essa proposta, mas sou acompanhante e preciso de um macho para mamar na frente do cliente. Você toparia?
Novo silêncio. 
_Desculpe dona, mas não vou aceitar. 
E com essas palavras minhas chances de meter com aquele delicioso acabaram. 
Estávamos quase chegando, quando fui descer e notei que o pobrezinho não parava de olhar.
Quando entrei no motel, chamei o recepcionista para meter conosco, ele disse que não poderia porque estava trabalhando.
Entrei na suite e o safado estava de cuzão para cima, caí de língua e lambi bem gostoso.
O telefone tocou, era um outro cliente que havia marcado para me dar porra na boquinha para levar para o corninho.

Saí peladinha do quarto, alguns carros estavam entrando e saindo do motel que me viram peladinha, só de fio-dental e salto alto. 
Ele já me recebeu na garagem, já com um delicioso abraço que me envolveu inteirinha e me beijou muito gostoso. Entreguei-me aquele macho gostoso sabendo que gozaria como cadela no cio.




Continua...

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

vídeo delicioso com a Maravilhosa Suzie Slut 1195291-0613




Esclarecimentos

Olá amores, tudo bem com vocês? 
Notei que alguns de vocês ficaram alvoriçados com o último relato. Parece que o sonho de todo homem é foder a puta grátis. quantas cogitações. Não imaginava que poderia causar tanto impacto aos meus clientes mais amigos e fieis tantas dúvidas e fantasias.
Vamos deixar primeiro muito claro que sigo amando meu marido como antes, o que tive com esse cara foi apenas paixão de pica, daquelas que ficamos desejando até usar a rola (ou boceta) tanto que depois de um tempo o sexo perde a graça e cada um segue sua vida. 
Jamais, cogitei a possibilidade de deixar o meu Javi, como me sugeriu meu eterno apaixonado (C.) na esperança de que depois que passe o encanto quem sabe fique com ele. Não amor, isso nunca vai acontecer. Talvez um dia, mas espero que este dia nunca chegue. Onde poderia encontrar alguém que me cuide tanto, ame tanto e me foda tanto e tão bem? E que saiba que adoro rola e me deixe livre para sentar de pau em pau? E que além de tudo seja um ser humano maravilhoso e adorável. E que me ame tanto? Se um dia ele me deixar, teria que conformar-me, mas antes usaria todas as minhas amigas para seduzi-lo, ainda que tivéssemos que amarra-lo na cama outra vez e convencer de ficar, mas em quanto estiver nas minhas mãos, estarei com ele. Forever.
Devo confessar que estou aproveitando os machos que me fodem, com muito mais tesão depois dele. 
Estou louca por levar a rola dele outra vez, mas como prometemos que não voltaríamos a ver-nos pensei em algo que suprisse tanto minha necessidade de rola como os desejos dos clientes que me desafiaram a gozar ainda mais no pau deles. 
São duas opções de me comer grátis.
Me comer na frente de um corno ou crossdresser pagante.
Mandar foto da rola e se quiser do corpo para WhatsApp 11 963321103
Acrescentar o que faz e o que não curte.

marcar um atendimento comigo pagando 
(escreverei no blog e o relato mais votado volta a me foder grátis)

O melhor de ser puta é que rola para foder grátis nunca falta.
Quero aproveitar o verão que se aproxima para levar muita rola, já é conhecido de todos que no verão fico no cio.

Vamos aproveitar amores que esse macho delicioso esquentou a boceta para os próximos tentarem apagar a puta.



sábado, 2 de dezembro de 2017

Fugaz

Isso não será um relato, está mais para confissão, pois vem carregado de culpa e êxtase. Como um pecado que deveria ficar guardado para sempre pois o pecador não se arrepende e sabe que o que fez não tem perdão, mas ainda assim não se arrepende e repetiria tudo outra vez, mas que crê que com a confissão sua consciência o deixará de acusar e condenar.
Posso expor exatamente o que aconteceu porque sei que não voltará a ocorrer e que o único que nos restará serão as sensações experimentadas e armazenadas nos arquivos da memória e o relato/confissão para que ele saiba exatamente como me senti e me sinto.
Estava no apartamento quando ele me ligou. Não era a primeira vez que me procurava, mas por nome não me recordava quem era, ele assegurou-me que recordaria quando o visse. Pelo nome pensei tratar-se de outra pessoa. 
Quando ele chegou e abri a porta lembrei-me imediatamente. Em nosso último encontro lembro me de sentir-me hipnotizada, sentir-me como um cordeirinho caminhando obediente e submisso ao altar de sacrifícios sentindo em suas veias um deleite sublime, superior e espiritual. Foi realmente divino e inolvidável.
Desta vez a mesma atmosfera mistica e encantada acompanhava-o, mas desa vez coroada de novas cores e novo brilho. Algo havia acontecido. Não sei o que, mas era como se fosse a primeira vez embora reconhecesse e recordasse tudo nitidamente.
Lembro-me agora do Código Tarantino do Selton Melo, pois creio que bem ilustrará o tema e dará melhor perspectiva  aos leitores.
Nesta teoria, que acho fantástica, mas que não vem ao caso esclarecer, Selton em uma conversa com Seu Jorge relembra as teses Tarantinescas, eu me identifiquei com a primeira, Tese Like a virgen em que uma mulher rodada encontra um roludo que a faz delirar de prazer. Mas na prática sentia me como na canção não somente pelo dote maravilhoso, mas também por sentir-me como uma adolescente sem saber o que fazer com todo aquele homem. Uma sensação fantástica de inexperiência tão nova  e intensa que jamais podia supor que ainda habitara em mim.
Talvez, por iniciar minhas experiências na mais tenra adolescência sempre com homens mais velhos, tenho verdadeira debilidade por homens que conseguem trazer a tona a menina esquecida no passado distante, aquela que foi anulada pela mulher fatal em que me tornei, devoradora de homens, consciências e rolas, a meretriz ordinária para a sociedade, mas divindade inalcançável para alguns, ou refúgio dos menos compreendidos, aquela que jamais olha para trás ou se preocupa com sentimentos. Essa menina que já não habita mais nem nas minhas lembranças, inundou todo meu ser de inocência sensibilizando cada poro do meu corpo e me senti novamente débil.
Fechei os olhos entregando-me prazenteira aquele macho em um beijo obsceno e profundo, beijo de almas e, por um instante fugaz como uma estrela cadente senti-me livre de um ponto final indigesto que me perturbara quase a insanidade durante os últimos anos. Ponto final instaurado pelo último homem que foi capaz de transportar me a esse estado de consciência, aquele que por alguns anos foi meu herói encantado, mas que ao final me foi arrebatado para sempre como os sonhos de mocidade.  Como se nada mais me importasse, seguido aos instintos mais que a experiência, sentido-me novamente transportada aquela atmosfera já tão conhecida, mas poucas vezes visitada em que os corpos se unem completando-se, fundidos em uma fonte inesgotável de prazer e energias. Instintivamente, beijando-nos sem parar fui desnudando aquele macho, suspirando de prazer, frágil e inapta, não deveria, mas descreverei a vocês esse macho delicioso e peculiar para que tenham uma ideia de quem é e possam melhor imaginar a união de nossos corpos com perfeição.
Ele é o posto a todo e qualquer um dos homens com quem já me relacionei. E não possui nada dos atributos dos machos que amei, mas é tão sedutor e envolvente com aquele olhar indiferente e penetrante, tão profundo que parece enxergar o infinito, que nos olha e enxerga a alma, olhos que creio que já viram de tudo. Desde coisas sublimes que sequer posso imaginar, a cenas que prefiro nem pensar para não mudar o padrão vibratório, coisas que talvez se soubesse, deixasse de imagina-lo neste pedestal de ouro. Aqueles olhos me fitavam hipnotizando todo meu ser. Seu corpo é tão belo que creio que permanecerá em minha memória até o fim dos meus dias. Vestido, tem a cara do mais trabalhador dos mortais, mas revelada sua nudez as marcas e tatuagens desvelam com uma claridade crua, mas talhada de mistérios uma vida louca e provavelmente fascinante, um esteriótipo de loucura, ambição e destemor estampado em um corpo viril adornado por um falo magnífico de uma cor mais intensa que o resto do corpo, provavelmente uma provocação divina para dar ainda mais destaque ao membro gigante.
Conforme ia desnudando seu corpo esbelto minhas pernas amoleciam, estava perdidamente encantada por aquele homem.
Estava usando um body arrastão pink, sainha de vinil, sapatos de salto. Ele como um bom mestre conduziu-me até o sofá e colocou-me de quatro, puxou a calcinha para o ladinho e lambeu minha boceta, que já estava encharcada, com a maestria de quem vem enlouquecendo as vadias com aqueles lábios e língua treinados para o prazer a anos. Gemi gostoso, gozei sem me preocupar se alguém iria ouvir. Ele, senhor da situação, levou-me agora até a cama, mamei gostoso o caralho, lambi as bolas, estava tão perturbada por aquele macho feiticeiro que sequer conseguia mama-lo com a volúpia que a rola merecia. O prazer daquela vara na minha boca me seduzia, o olor, textura, toda a vara era saborosa. Fiquei de quatro e ele me fodeu gostoso. Sentia os grandes lábios abrirem se para receber a rola deliciosa, a cabeçona invadia-me pungente abrindo-me ao meio, o pau, além de grande, grosso e cabeçudo penetrava me a alma fazendo-me gemer, ofegar e gozar como felina no cio.
Ele me pediu para colocar um sapato que combinasse com aquele membro perfeito.
Escolhi uma sandália leopardo de vadia com rebites de metal dourado, uma tanginha fio dental pink e leopardo engolida por minha bunda e xana complementavam o figurino. Enquanto abaixava-me para colocar a calcinha senti-me novamente invadida pelo pauzão gostoso, as estocadas eram suaves ao principio, ele pegou me pelos braços equilibrando-me em sua rola e socou sem dó, a posição seria incomoda se não me sentisse tão segura e dominada por aquele macho másculo e potente, sua rola penetrava-me o ser até a plenitude, gozei tanto que as bolas ficaram totalmente molhadas, escorrendo baba de boceta, mamei a vara deliciosa sentindo meu mel abundante ao alcançar as bolas encharcadas
Voltamos a cama onde nossos corpos pareciam flutuar em um ambiente a carregado de glitter. tudo brilhava.
Na cama acabei-me. Deixei-me abater até a exaustão. Recordo-me com perfeição de como meteu a rola no meu cu, com um cuidado especial que somente os mestres no anal conseguem ter essa maestria. Perfeito. Meticuloso e preciso ao extremo. Mesmo com um caralhão meteu sem me causar nenhum tipo de dor, só prazer, puro e intenso. O orgasmo foi inevitável e bombástico. Fantástico.
Queria muito sentir aquela rola, e mais rola, e mais rola, gozando, gritando, fodida e arrombada no cu e na boceta gozando e recuperando-me para novamente gozar, não posso precisar quais as posições em que aquele macho me fodeu, mas sei que foram muitas. Fechando os olhos posso vê-lo sobre mim, com aquele corpaço viril movendo-se para frente e para trás, segurando-me as pernas para melhor impulsionar as estocadas pungentes, seu olhar cortava me a alma em pedaços multicor dando-me mais brilho, incendiando-me toda. Nossos líquidos fluíam abundante. Me fodia com cara de mal, com precisão, como se soubesse exatamente a pressão que eu precisava para voltar a gozar. A cada orgasmo um beijo delicioso selava nossa aliança.
Cavalguei naquela vara até perder as contas dos orgasmos mas ao final senti as pulsações que anunciavam o clímax, seu pau inchado e pulsante explodiu em um delicioso orgasmo, não resisti e gozei outra vez, não queria parar de cavalgar, mas como ele também havia gozado joguei-me sobre ele beijando-o louca e extasiada.
Saí de cima dele e ao deitar-me ao seu lado ele voltou a envolver-me em seus braços com tanta ternura, dando-me suaves beijinhos na pele que me senti a própria Lolita de Nabokov. Sentia a pressão dos seus dedos em meu corpo, incrível como mãos tão fortes conseguiam tocar-me com a firmeza ideal, estava ainda ofegante, notei como ele passava o rosto próximo a minha pele, cheirando-me suavemente como um animal e meu corpo voltou a encher-se de desejos não resistindo mais, cai de boca na rola que seguia dura e saborosa, senti o sabor da porra na rola e as últimas gotinhas da uretra penetraram minhas papilas revelando-me novamente o sabor daquela porra. Montei na vara novamente, por incrível que pareça  estava super dura ainda. Cavalguei como amazona até gozar novamente. Seguimos fodendo até a exaustão completa de todas  as minhas forças. Ele seguia ativo.
Terminamos exaustos, ele se foi e passei o dia tentando assimilar o efeito devastador daquela foda magnífica.
Realmente sublime.


Tentei descansar para recuperar as forças, mas parece que após o banho sentia ainda mais desejo que antes. Um fogo voraz me consumia por dentro. Não entendia como depois de gozar tanto ainda me sentia insaciável.
Não podia ficar na cama e resolvi tentar meter com outro macho para tentar voltar ao normal.
Um macho delicioso que adoro me ligou e marcamos. 
Devorei aquele homem, mas não me saciava, conseguia gozar mas faltava algo. Faltava brilho, embora era delicioso também. Diferente. Uma outra coisa. 
No final da tarde ele me ligou. Sua voz soou como música aos meus ouvidos. Ele também havia notado algo diferente e sentiu que minha entrega foi total. Não sei dizer se a ligação me tranquilizou ou perturbou ainda mais. Creio que avivou as chamas que me consumiam.
E assim segui todo o dia, acabando-me de rola em rola, meu sangue fervia, durante todo dia uma febre interna me perturbou o sossego. 
A noite, o macho encarregado da manutenção do meu cu veio me visitar, me arrebentou na vara e ainda assim não estava saciada.
Parecia loucura, obsessão, precisava encontra aquele macho novamente.
Dormi como uma pedra. Exausta.
Acordei e lá estava ele novamente em meus pensamentos.
Liguei para um corno convidando-o a para vir assistir nossa foda. Queria a oportunidade de estar outra vez com ele, mas não queria que fosse só por prazer, queria ter a desculpa de que estava trabalhando para não sentir que estava traindo meu marido.
Um outro corno me ligou querendo marcar e era a desculpa perfeita. Mandei uma mensagem perguntando-lhe sua disponibilidade. Que decepção, ele estava no litoral e só voltaria na segunda. Paciência. Teria que esperar.
Meu corpo queimava, fui tomar um banho, queria me masturbar até a exaustão, mas não conseguia gozar. Sentia seus dedos em meu corpo, o modo como pegava-me pelos cabelos com firmeza mas sem puxar, somente para deixar claro quem manda. Tocava-me todo o corpo como se fossem seus dedos a me tocar. Minha boceta estava tão molhada que nem mesmo a água abundante do chuveiro conseguia eliminar meus fluidos. Tive que terminar o banho com água fria. Saí do chuveiro e seguia ofegante. Mais um dia gozando de rola em rola sem me saciar.
Graças a Deus o dia passou rápido.
A noite tive que me masturbar outra vez e desta consegui gozar gostoso relembrando nosso encontro.
Sonhei um sonho maravilhoso em que recebia uma proteção de um ser iluminado. Lindo.
Acordei bem cedo como de costume e sentia-me novamente como no dia anterior. Queimando de desejos. 
No final da manhã ele me mandou uma mensagem de bom-dia. 
O sangue subiu outra vez. Havia acabado de atender e gozado em uma vara pensando nele. 
Conversamos um pouco e minutos depois me disse que estava voltando a capital.
Queria passar para me dar um beijo. Não queria somente os beijos. Queria tudo outra vez. Avisei que se tivesse tempo que iria querer aquele pau divino me arrebentando outra vez.
Ele veio. Teve que esperar um pouco. Cada segundo parecia eterno.
Chamei-o. Prometi a mim mesma que seria a última vez, pagando ou não. Tinha que ter um fim e seria hoje.
Ele chegou, enquanto subia no elevador minha consciência me condenava, sabia que estava fazendo algo horrível com meu marido. De modo nenhum poderia ser tão egoísta, não poderia deixar de sentir-me mal pelo que fazia. Tenho um casamento perfeito, poderia ter dito ao meu marido que queria dar para outro, não teria problema nenhum, mas sabia que não estava buscando somente a rola, queria também o homem, e isso me consumia.
Quando ele chegou, abri a porta, ele entrou. Não tinha coragem de mirar-lo nos olhos, sabia que seria hipnotizada, também sentia vergonha da minha debilidade, não estou acostumada a perder as formas. Nunca dei de graça para cliente depois que conheci meu marido. Virei me de costas a ele, empinando o rabo, ele me apertou contra ele, senti a pressão voluptuosa de seu membro viril contra mim, desfaleci de tesão, virei-me e nos beijamos. 
Aquela atmosfera mágica penetrou todo o ambiente, deixei-me conduzir por ele novamente. Ele me usou como quis. Embora gozasse como louca, sentia-me culpada, mas não podia deixar de gozar e desfrutar com aquele macho delicioso.
Adorei cada segundo desse novo encontro. Seus lábios, me chupando, beijando, em qualquer parte do meu corpo era delicioso. Sua rola me invadiu fazendo-me gozar imediatamente, ele novamente comeu meu cu com maestria. Fodeu-me deliciosamente como da primeira vez gozei outra vez ao notar seu orgasmo. 
Deitamos lado-a-lado, envolvida em seus braços outra vez. 
Ele comentou que notou que não estava tão solta como no encontro anterior. Comentei os meus fantasmas e o peso que aquele encontro furtivo me causava.
Ele comentou que seria melhor então que não nos víssemos mais. Concordei, pois esse era o plano. Falei que não queria sentir-me novamente como no dia anterior. Que não queria passar o dia gozando sem jamais saciar-me. 
Ele me falou que não precisava me preocupar, que sumir era o que ele fazia de melhor, "a vida inteira sumindo e fazendo as coisas sumirem". Que já tinha feito muita gente sofrer e que não queria que nada acontecesse comigo.
Aquela determinação causava me alivio e temor.
Sabia que não voltaria a vê-lo, pois falou com tanta convicção que mais parecia uma promessa, mas isso me apavorava pois sabia que não teria outra oportunidade de curtir aquele macho. Voltamos a nos beijar e a meter até consumir todo meu fogo. 
Sentia-me mais tranquila, mas um pouco triste por saber que acabou. 
Mandei-lhe uma mensagem pedindo-lhe que ainda que o chame outra vez, por favor, que não venha porque sei que seria muito perigoso. Não gosto de perder o controle da situação e seria inevitável. Tampouco quero perder esse brilho de novidade.
Quero guardar na lembrança somente aquele momento que foi tão sublime e tão fugaz.









Postagem em destaque

Consequências inesperadas

Olá meus amores,este relato escrevo especialmente para você que me segue diariamente, que está sempre querendo saber, não somente das minh...